Agricultores familiares denunciam defasagem no Plano Safra 21/22

Agricultura familiar plano safra

Com produção 40% mais cara, Rosane Mattielo, que produz leite no interior de Itá-SC, não enxerga vantagens do novo Plano Safra para os agricultores familiares.

 

O galo nem cantou na comunidade de Nova Santa Cruz, interior de Itá-SC, e Rosane já está de pé, na cozinha, esquentando água para o chimarrão. Com um longo e pesado dia pela frente, um agricultor familiar sabe que toda a energia é bem-vinda para ajudar a enfrentar a rotina, que só termina com o cair da noite.

Quem produz alimentos no campo, como a família da Rosane, não tem dia nem hora para trabalhar; não descansa final de semana e raramente tem férias. Entretanto, mesmo com dedicação exclusiva, dificilmente essas famílias de trabalhadores conseguem levantar todos os recursos que a produção exige antes de ser iniciada.

Considerando a importância da Agricultura Familiar para a garantia da soberania alimentar e de políticas de combate à fome do país, sendo também um importante pilar da economia brasileira, é natural esperar que a União dedique esforços para manter essas famílias no campo, produzido alimentos para a nação e com qualidade de vida. O Plano Safra surge em 2003 como uma política pública que também foi pensada para atender essas demandas da produção familiar do nosso país.

Para a FETRAF-SC (Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar de Santa Catarina), o governo Federal está na contramão dessa preocupação, e demonstra descaso com a produção familiar do país com o Plano Safra 2021/22, anunciado em junho. “Além de não haver incremento real de investimentos, o Plano penaliza os agricultores familiares com o aumento nos juros do Pronaf”, denuncia Jandir Selzler, coordenador da Federação.

Agricultures familiares excluídos do Plano Safra

Embora o governo Federal tenha anunciado que a Agricultura Familiar é protagonista do novo Plano Safra, na prática, os agricultores familiares não enxergam vantagens nesse novo planejamento, isso porque o reajuste anunciado, de 19%, não considera a alta drástica no custo da produção.

Outro elemento que também gerou controvérsias entre os trabalhadores do campo é o aumento nos juros do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), que passou de 2,7% a cerca de 4,5%.

A FETRAF-SC realizou um levantamento nas suas oito microrregiões do Estado, que representam 123 municípios de Santa Catarina, e constatou que, neste último ano, houve aumento no custo da produção entre 35 e 45%, dependendo da localidade.

Na propriedade da Rosane, a família se dedica à produção leiteira, e confirma a dificuldade em lidar com o aumento significativo no custo de sua produção. “Eu comparei os gastos desse ano com o ano passado, e tem coisas que dobraram de valor”, explica a agricultora, confirmando uma alta de aproximadamente 40% no investimento total para a família poder produzir.

agricultura familiar plano safra Comparação

Para a Federação que representa a Agricultura Familiar em Santa Catarina, é preciso ter atenção com as narrativas do governo Federal por meio do Ministério da Agricultura, “esse Plano foi pensando dentro dos gabinetes, sem olhar em nenhum momento para a Agricultura Familiar, que ficou completamente esquecida”, critica a Federação.

Seguro Agrícola prejudicado

Ainda sobre o Plano Safra 21/22, outro prejuízo confirmado é na seguridade desses agricultores. O governo destinou apenas R$ 1 bilhão para a Subvenção ao Prêmio do Programa de Seguro Rural (PSR) e ainda liberou R$ 50 milhões para estimular esses trabalhadores do campo a procurarem o seguro privado.

Para a FETRAF-SC, essa intenção em migrar o Seguro Agrícola do campo público para o privado representa uma armadilha para a Agricultura Familiar, à medida que reduz ainda mais a voz dos agricultores e privilegia os grandes empresários.

“Sem opção para garantir a segurança da produção, os agricultores estarão sujeitos às decisões unilaterais das organizações privadas, que poderão aumentar o valor do seguro deliberadamente, sem discussão”, alerta a Federação.

A FETRAF-SC acredita que as políticas públicas voltadas para a Agricultura Familiar devem ser construídas em conjunto com a categoria, “enquanto as entidades do campo seguirem sendo excluídas desse processo, vamos continuar vendo o governo anunciar medidas que apenas têm efeito placebo para nossa Agricultura Familiar”.

 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Mais postagens

Agricultura Familiar Esocial

Agricultura Familiar agora deve declarar ao eSocial todos os meses

Veja como a Agricultura Familiar deve informar a comercialização da sua propriedade ao eSocial para não ter problemas com o …

Nova gestão da Assintraf

São Miguel do Oeste: nova gestão da ASSINTRAF é eleita e empossada

A Agricultura Familiar de Santa Catarina comemora o fortalecimento de mais uma entidade filiada à FETRAF-SC. A nova gestão da …

Bolsonaro veta PL da agricultura familiar

Bolsonaro veta auxílio para agricultores familiares

PL 823 previa a criação de linhas de crédito e auxílio de R$ 2,5 mil para as famílias que vivem …