“O Governo de SC e os prefeitos estão sendo coniventes com a tragédia”, diz manifesto

manifesto em SC

FETRAF-SC se une a cerca de 80 entidades de SC para pedir socorro diante da pandemia de Covid-19

“Estamos vivendo um colapso na saúde do nosso Estado. Não temos mais leitos de UTI, nem leitos de enfermaria, não temos insumos, não temos oxigênio, não temos profissionais. Este é o momento de unir forças para enfrentar essa catástrofe com a seriedade que o momento exige”.

Com esta fala, Jandir Selzer, coordenador geral da FETRAF-SC (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar de Santa Catarina), justifica a importância da Federação aderir ao manifesto que cobra ações públicas imediatas para salvar vidas em SC, diante do agravamento da pandemia de Covid-19.

São quase 80 entidades sindicais, movimentos e organizações de Santa Catarina que assinam um documento direcionado ao governador Carlos Moisés, prefeituras e autoridades públicas.

Manifesto pede “lockdown” imediato em SC

Um dos pontos que norteia o manifesto é o pedido de paralização total das atividades em SC. “Lockdown” é uma expressão em inglês que significa fechamento ou confinamento total.

Santa Catarina, por definição, não tomou essa atitude mais drástica para conter a pandemia, e apenas decretou fechamento parcial, nos fins de semana.

Para as entidades que assinam o manifesto, o governo do Estado e prefeitos são coniventes com o colapso, já que seus decretos definem apenas medidas paliativas.

“As autoridades públicas (governador e prefeitos) estão sob o domínio dos interesses empresariais, atuando para salvar o lucro dos ricos em detrimento da vida da classe trabalhadora e do povo pobre”, denuncia um trecho da nota.

No manifesto, as organizações de SC também denunciam a postura dos gestores públicos em tentar salvar a economia, o que, segundos as entidades, levará Santa Catarina à pior crise da sua história, inclusive do ponto de vista econômico.

Veja o que as entidades pedem

Entre as restrições brandas ao comércio, as entidades criticam a decisão de retorno das aulas presenciais e se posicionam contra a reabertura das escolas até que a população seja massivamente vacinada.

Além de se posicionarem contra o retorno das aulas, as 80 organizações também pedem:

  • O fechamento de comércio de produtos não essenciais;
  • Suspensão do transporte coletivo;
  • Proibição de qualquer evento social com presença de público;
  • Maior suporte logístico aos hospitais e serviços de saúde;
  • Fechamento de praias e parques;
  • Testagem em massa de toda a população;
  • Contratação de mais profissionais de saúde;
  • Retomada do auxílio emergência;
  • Aquisição de vacinas.

Leia o manifesto na íntegra

APELO EM DEFESA DA VIDA

É hora de parar Santa Catarina! O lucro não pode estar acima da vida!

Santa Catarina está vivendo o momento mais grave da pandemia da Covid 19. Os hospitais estão lotados, com pacientes entubados em emergências e nos corredores. Tem pessoas morrendo em casa por falta de vagas nos hospitais. Os números oficiais estão amenizando a gravidade da situação.

As autoridades públicas (governador e prefeitos) estão sob o domínio dos interesses empresariais, atuando para salvar o lucro dos ricos em detrimento da vida da classe trabalhadora e do povo pobre.

É aterradora a situação nos hospitais, com profissionais da saúde no limite da resistência física e psicológica, já tendo que decidir quem vai pra UTI e quem fica na maca, quem morre agora ou daqui a pouco.

Não demora e teremos pessoas morrendo na rua, nas calçadas, sem conseguir acesso aos hospitais.

O Governo do Estado e os prefeitos estão sendo coniventes com a tragédia que se instala a olhos vistos. Seus decretos não passam de faz de conta, com medidas inócuas para enganar a população, seguindo o negacionista de Brasília e seu rastro de mais de 250 mil mortes.

Ao invés de “salvar a economia”, esta postura vai levar Santa Catarina à pior crise de sua história, inclusive do ponto de vista econômico.

Passou da hora de parar tudo, deixando apenas os serviços essenciais em funcionamento, ou a tragédia vai crescer ainda mais. Urge a retomada consistente da fiscalização das medidas sanitárias, e com certeza a aquisição de vacinas pelo estado.

É em meio a esse caos que o atual secretário de educação, empossado para rearranjar a política aos velhos moldes MDBistas, anuncia o retorno presencial, resultado do lobby que culminou na ALESC aprovando, em dezembro último, a educação como atividade essencial ENQUANTO DURAR A PANDEMIA. É assim que chancelaram, para 2021, este retorno caótico e marcado pelo medo da morte. Há um acordo, e não é para salvar a economia nem a nós.

As entidades, movimentos e organizações políticas que abaixo subscrevem defendem:

  • Imediato fechamento das escolas, com reabertura apenas após a vacinação massiva da população;
  • Fechamento do comércio de produtos não essenciais;
  • Suspensão do transporte coletivo, deixando apenas o necessário pra viabilizar os serviços essenciais;
  • Proibição de qualquer evento social com a presença de público;
  • Maior suporte logístico aos hospitais e serviços de saúde;
  • Fechamento de praias e parques;
  • Testagem em massa para toda a população;
  • Contratação de mais profissionais de saúde e maior proteção à sua atividade laboral;
  • Retomada do auxílio emergencial de pelo menos 600 reais até o fim da pandemia.
  • Aquisição de vacinas por parte do governo do estado.

É hora de parar Santa Catarina! O lucro não pode estar acima da vida!

Santa Catarina, 25 de fevereiro de 2021.

Entidades que assinam o manifesto em SC

Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Central Única dos Trabalhadores – CUT

Central Sindical e Popular Conlutas – CSP CONLUTAS

União Geral dos Trabalhadores – UGT

Central de Trabalhadoras e Trabalhadores do Brasil – CTB

Central dos Sindicatos Brasileiros – CSB/SC

SINJUSC

Brigadas Populares

Unidade Comunista Brasileira – UCB

8M

Marcha Mundial das mulheres

MNDH /SC

Núcleo do Fórum de mudanças climáticas e justiça socioambiental de SC

Resistência/PSOL

Juventude Manifesta/SC

Polo Comunista Luiz Carlos Prestes

SindSaúde/SC

Unidade Popular e Sindical – UPS

PCdoB – Partido Comunista do Brasil – Florianópolis/SC

Africatarina

SINASEFE Seção Sindical IFSC

Fórum de Mulheres do Mercosul Capítulo Brasil Seção Lages – FMM

Instituto Gentes de Direitos – IGENTES

SINDPD/SC – Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de PD e TI

Coletivo Alicerce

Juventude Comunista Avançando – JCA

SINTUDESC

Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina – SINTE/SC

SINTE Floripa

Portal Catarinas

Movimento Mulheres em Luta

PSTU

Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente – SINTAEMA/SC

Casa América Latina/SC

Via Campesina/SC

Movimento de Mulheres Camponesas – MMC/SC

Movimento dos Atingidos por Barragem – MAB/SC

Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA/SC

Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra – MST/SC

Pastoral da Juventude Rural – PJR/SC

Pastoral da Juventude no Meio Popular – PJMP/SC

Levante Popular da Juventude/SC

Conselho Indigenista Missionário – CIMI/Regional Sul

Brigada Gina Couto da Via Campesina – Florianópolis/SC

Laboratório de Mobilidade, Trabalho e Movimentos Sociais – LABTRAMS-UDESC

SINTRAFESC

ASSIBGE-SC

SINPROESC

Comitê Popular Solidário de Joinville

Sindicato dos Servidores Municipais de Criciúma – SISERP

Sindicato dos Trabalhadores na Empresa de Correios e Telégrafos e Similares de Santa Catarina – SINTECT/SC

Movimento Sinte Pela Base

APRUDESC

SINDPREVS-SC

SINTUFSC

Tenda Lula Livre

PT/SC

PT Palhoça

PT Florianópolis

Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar – FETRAF/SC

Sind dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Forquilhinhas e Região – SINSERF-FRR

ANDES – Regional Sul

Movimento Policiais Antifascismo/SC

SINTE Regional São José

SINTE Regional Joinville

Mudiá Coletiva Lésbica Floripa

Sindicato dos Trabalhadores no Comércio de Florianópolis – SEC Floripa

PSOL/SC

Rebeldia – Juventude da Revolução Brasileira

PSOL Floripa

SINDFAR-SC

PCB – Partido Comunista Brasileiro

Unidade Classista

Fórum Catarinense em Defesa do SUS e Contra as Privatizações

Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Calçados, Vestuário, Afins e Similares de Sombrio e Região

Sindicado dos Servidores Públicos Municipais de Içara – SINDSERPI

PSOL Lages Sindicato dos ServidoresBB Públicos Municipais de Lages – SINDSERV

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Mais postagens

Agricultura Familiar Esocial

Agricultura Familiar agora deve declarar ao eSocial todos os meses

Veja como a Agricultura Familiar deve informar a comercialização da sua propriedade ao eSocial para não ter problemas com o …

Nova gestão da Assintraf

São Miguel do Oeste: nova gestão da ASSINTRAF é eleita e empossada

A Agricultura Familiar de Santa Catarina comemora o fortalecimento de mais uma entidade filiada à FETRAF-SC. A nova gestão da …

Bolsonaro veta PL da agricultura familiar

Bolsonaro veta auxílio para agricultores familiares

PL 823 previa a criação de linhas de crédito e auxílio de R$ 2,5 mil para as famílias que vivem …