Medidas anunciadas pelo Governo atendem Agricultura Familiar, porém são insuficientes diante da pandemia

COMPARTILHE ISSO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A Contraf Brasil negocia com o Governo Federal medidas que de fato atendam a agricultura familiar que representa hoje 77% dos estabelecimentos agrícolas do país

O Conselho Monetário Nacional publicou no último dia 9 de abril duas resoluções que tratam das renegociações de operação de crédito e custeio, sendo elas para agricultores familiares cujas atividades tenham sido prejudicadas em decorrência das medidas de distanciamento social devido a pandemia do novo coronavírus e para produtores rurais e cooperativas singulares de produção agropecuária que tenham sofrido perdas na renda em decorrência de seca ou estiagem.

A medida prevê a prorrogação do reembolso das operações de crédito rural de custeio e de investimento; a contratação de Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor (FGPP); cria linhas especiais de crédito de custeio ao amparo do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp); o financiamento no âmbito do Programa de Capitalização de Cooperativas Agropecuárias (Procap-Agro). Ao final da matéria veja uma síntese organizada das medidas do Governo entendidas como emergenciais para a agricultura, contidas nas Resoluções 4.801 e 4.802.

Para a Contraf Brasil, além do Governo não atuar dentro de um prazo ideal considerando a situação de calamidade pública, as medidas também não dão as condições essenciais para solucionar a produção de alimentos, a escoação e a comercialização dos agricultores e agricultoras familiares que hoje representam 77% dos estabelecimentos agrícolas do país.

“Como Contraf Brasil construímos as demandas e estamos no processo de negociação junto ao Governo Federal e Congresso Nacional. As medidas anunciadas pelos governos são importantes, mas ainda são insuficientes. No entanto, continuamos com o diálogo para avançar nas conquistas de mais políticas públicas e emergenciais para atender a capacidade de retomada do processo produtivo dos agricultores e agricultoras”, explica o coordenador da Contraf Brasil, Marcos Rochinski.

O crédito facilitado e principalmente na consolidação de recursos que garantam a produção, o escoamento, a comercialização dos agricultores familiares são os pontos chave do abastecimento.

“Nós agricultores familiares continuamos a ser as mãos que alimentam a nação brasileira. Queremos continuar com a capacidade de produzir, logo precisamos do crédito. O Governo Federal tem que assumir seu papel de Estado e ser responsável por medidas de comercialização que garantam que a nossa produção chegue até a boca de quem precisa comer”, pontua o coordenador.

A Contraf Brasil também ressalta que das medidas anunciadas ainda existe a necessidade do Governo Federal esclarecer, com clareza, como elas serão operacionalizadas para atender as demandas dos agricultores e agricultoras familiares.

Veja a síntese e entenda:

Resoluções 4.801 e 4.802

1)            Para todos os produtores rurais: prorrogação de dívidas de custeio e investimento; parcelas vencidas e vincendas entre 1/1/2020 e 14/08/2020. Prorrogadas até 15 de agosto de 2020 apenas;

2)            Para cooperativas, cerealistas e agroindústrias: no período de 9/4/2020 a 30/06/2020 haverá crédito de comercialização (Garantia de Preços) no limite de 65 milhões/beneficiário; taxas de juros de 6% ao ano para agroindústrias familiares e coop. de agric.. familiares desde que tenham a DAP. Para os demais, juros de 8% aa. O prazo de reembolso é de 240 dias.

3)            Crédito emergencial para agric. familiares – custeio pelo Pronaf (hortigranjeiros, floricultura, aquicultura, pesca e leite):

a)            Até 20 mil por pessoa;

b)           Juros de 4.6% aa;

c)            Prazo de reembolso: 36 meses incluídos 12 meses de carência;

d)           Prazo para a contratação: até 30 de junho de 2020

4)            Crédito emergencial para médios produtores –PRONAMP (hortigranjeiros, floricultura, aquicultura, pesca e leite):

a)            Até 40 mil/pessoa;

b)           6% aa;

c)            Prazos: 36 meses (12 de carência);

d)           Prazo para contratação: até 30/06/2020.

5)            Renegociação das operações de custeio e investimento para produtores rurais e cooperativas com prejuízos pela seca/estiagem, desde que em situação de adimplência em 30/12/2019, com parcelas vencidas ou vincendas de entre 1/1/2020 e 30/12/2020; e que tiveram decretação de situação de emergência ou estado de calamidade pública no período de 1º de janeiro de 2020 até a data de publicação da Resolução (9/04):

a)  Reembolso: custeio até 7 anos —operações de custeio já prorrogadas e investimento: até 1 ano após vencimento do contrato;

b)           Quem contratou o proagro ou qualquer seguro tem direito desde que seja excluído o valor da indenização recebidas;

c)            Prazo para a formalização: 30/06/2020;

d)           Os bancos devem exigir contratação de seguro rural durante a vigência do contrato renegociado

e)           NÃO TÊM DIREITO À RENEGOCIAÇÃO:

(i)           Quem está com contrato em carência até 30/12/2020

(ii)          Operações classificadas em prejuízo

(iii)         Quem não seguiu tecnologia recomendada pelo ZARC – Zoneamento Agric. de Risco Climático

(iv)         Dívidas oriundas de operações renegociadas pela securitização e PESA

6) Crédito especial aos agric. Familiares que tiveram prejuízo em decorrência da seca/estiagem em municípios que decretaram situação de emergência ou de estado de calamidade pública no período de 1/1/2020 e 9/4/2020:

a) custeio agrícola e pecuário;

b) limite: até 20 mil por mutuário;

c) juros: 4.6% aa

d) reembolso: até 36 meses (com 12 meses de carência)

e) prazo de contratação: 30/06/2020

7) Crédito especial aos médios produtores (PRONAMP) que tiveram prejuízo em decorrência da seca/estiagem em municípios que decretaram situação de emergência ou de estado de calamidade pública no período de 1/1/2020 e 9/4/2020:

a) custeio agrícola e pecuário;

b) 40 mil por beneficiário;

c) 6% aa

d) reembolso: 36 meses (12 de carência);

e) prazo de contratação: 30/06/2020

8) programa de capitalização de cooperativas agropecuárias – PROCAP com recursos do BNDES. Até 30/06 haverá financiamento para cooperativas singulares cujos associados tenham sofrido perdas por conta da seca entre 1/1/2020 e 9/4/2020:

a) repasse de até 100% do montante devido pelos associados em decorrência de débitos vencidos e vincendos entre 1/1/2020 e 30/12/2020 desde que contraído junto a cooperativas para aquisição de insumos para a utilização na safra 2019/20;

b) limite: 65 milhões/cooperativa limitado a 40 mil por associado;

c) 6% aa para cooperativas singulares constituídas ou beneficiários do PRONAF com DAP;

d) reembolso: 48 meses com 12 de carência;

e) contratação: até 30/06/2020

Escrito por: Da redação da Contraf Brasil 

MAIS INFORMAÇÕES PARA VOCÊ

MST 35 anos, a grandeza dos que lutam

Quando a luta é semente de resistência, ela produz frutos históricos. E a grandeza de mais de três décadas de necessária teimosia começa por contar