Agricultores e entidades se reúnem para tratar da atividade produtiva do arroz orgânico

COMPARTILHE ISSO

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no telegram
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

A quantidade de alimentos consumidos no planeta é calculada e divulgada anualmente pela FAO, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Ano após ano, o cultivo do arroz, se consolida nesta lista como um dos alimentos mais produzidos. Somente no ano de 2018, a produção mundial foi calculada em 777,7 milhões de toneladas de arroz em casca (516,4 Mt de arroz beneficiado). Para o Brasil, os dados apontam em 11,7 milhões de toneladas, de acordo com informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O alimento rico em sais minerais, como ferro, potássio, fósforo, e muitas vitaminas, está presente diariamente na mesa dos brasileiros, inclusive em creches, escolas e universidades. Além de muito saboroso, o arroz traz muitos benefícios para a saúde, principalmente quando é produzido sem agrotóxicos e de maneira sustável, na versão orgânica.

Em vista deste debate sobre a construção da alimentação saudável e também dos impactos dos modelos de produção da agricultura, na saúde e no meio ambiente, a Fetraf-SC, Cresol, Coperfavi, Semear, Epagri, representantes de prefeituras e igreja da Região de Pouso Redondo, Agricultores, Agricultoras, produtores e consumidores de arroz orgânico promoveram nesta quarta-feira, 27 de novembro, a segunda reunião do grupo de trabalho sobre à atividade produtiva de arroz orgânico.

O encontro tinha como objetivo de pensar o processo da produção de arroz orgânico, do ponto de vista social, ambiental e econômico, além de, identificar os eixos norteadores de atuação que se desdobram em outras ações que serão desenvolvidas a partir de 2020. O planejamento para os próximos anos busca aumentar o número de agricultores certificados na produção, para que assim, possam potencializar a comercialização do alimento por meio das compras governamentais, direto consumidor e outros mercados. A Região de Pouso Redondo, escolhida para este debate, se deve ao número expressivo de agricultores e agricultoras que produzem o alimento.

Alimentar-se de maneira saudável tem-se tornando cada vez mais uma obrigatoriedade. A ingestão de produtos livres de agrotóxicos, equilibrados, variados e produzidos de maneira sustentável reflete em melhoria na qualidade de vida e no bem estar social e ambiental. A prática da produção orgânica já é possível. No Brasil, de acordo com o Censo Agropecuário do IBGE 64 mil agricultores se dedicam à produção orgânica, em Santa Catarina, são mais de dois mil. Além disso, existe outros exemplos da viabilidade da produção orgânica, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), do Rio Grande do Sul, que há mais de 20 anos produz alimentos orgânicos. Por lá, somente no ano 2017, a produção de arroz chegou a quase 30 mil toneladas.

O Coordenador Geral da Fetraf-SC, Alexandre Bergamin, comenta que participar deste debate, em Pouso Redondo, fomenta à atuação da própria Federação e das entidades parceiras que lutam por uma agricultura sustentável. “Com uma valorização do trabalho, da renda e do meio ambiente, queremos uma agricultura familiar com gente e por isso a organização dos agricultores familiares é fundamental”, afirma.

Fonte: Matheus Antonio Kraemer/Jornalista

MAIS INFORMAÇÕES PARA VOCÊ

Só o temor não nos Salvará

”Não é o vírus que nos mata, morreremos de irresponsabilidades assistidas e vilipendiadas” Assombroso, mas não suficiente! Sete séculos depois, oportunizados estamos a nos beliscar