FETRAF - SC - Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar de Santa Catarina
FETRAF - SC - Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar de Santa Catarina
Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras
na Agricultura Familiar de Santa Catarina
Atendimento
49 . 3329 6137
48 . 3266 6462
WEBMAIL

NOTÍCIAS


Fetraf-SC busca sensibilizar deputados federais sobre a Reforma da Previdência


07/06/2019

Os brasileiros estão vivendo nos últimos tempos momentos históricos: retiradas de direitos, cortes em educação, liberação de inúmeros agrotóxicos e o descaso com os trabalhadores. A Reforma da Previdência é um exemplo deste novo período. Proposto pelo governo do ex-presidente Michel Temer e encaminhado como nova proposta em 2019, pelo atual presidente, Jair Bolsonaro, a medida se apresenta como uma reforma estrutural que deseja implementar medidas legislativas para alterar a legislação previdenciária do país. Mas, que de fato atinge diretamente os trabalhadores, em especial os agricultores e agricultoras familiares.

Neste contexto, a Fetraf-SC (Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar de Santa Catarina), decidiu visitar os gabinetes de todos os deputados federais e senadores em Brasília. A ação de mobilização tem o objetivo de sensibilizar os parlamentares em relação ao retrocesso e a maldade em aprovar a Reforma da Previdência.

As visitas iniciaram na terça-feira (4), e foram encontrados pessoalmente 16 parlamentares ou por intermédio de seus assessores, entretanto, há casos que não houve sucesso de encontro. Destes, apenas um deputado é totalmente contrário a Reforma da Previdência, os demais estão entre indecisos ou com posição favorável à aprovação. Na visão do coordenador geral da Fetraf-SC, Alexandre Bergamin, isso demonstra que a pressão sobre os governantes deve continuar, pois essa reforma não deve passar. “Vamos continuar nos mobilizando e dialogando sobre essa medida que distancia os agricultores e agricultoras familiares da aposentadoria. Além de uma greve geral no dia 14 de junho e o acampamento da agricultura familiar, outras ações devem continuar nos próximos dois meses”, afirma.








topo